Frango com ora-pro-nóbis

Certo dia cheguei a casa e encontrei minha esposa toda entusiasmada com uma receita que fora apresentada em uma edição do programa Mundo da Alimentação que era exibido pela TV Senac, atual Sesc TV.

Dias depois assisti à matéria e conferi a receita de frango com ora-pro-nóbis. Ela era apresentada temperada com história e curiosidades sobre a vida e a culinária tipicamente mineira da cidade de Tiradentes.

Alguns anos depois visitamos aquela acolhedora cidade histórica e nos empenhamos em encontrar o restaurante que aparecera naquele documentário. Até conseguimos, mas infelizmente estava fechado e perdemos a oportunidade de provar este prato típico em sua mais perfeita acepção.

Segundo a lenda o nome ora-pro-nóbis seria uma corruptela de orai por nós e resultaria da prática de rezar a ladainha durante sua colheita.

Lendas a parte, trata-se de um vegetal rico em vitaminas e ferro cujas folhas são muito utilizadas em refogados e também no preparo de farinhas e temperos.

Quando meu vizinho me contou que havia conseguido uma muda da planta de pronto deixei-o avisado para me ceder algumas folhas tão logo surgisse a primeira florada (a planta dá flores que também são comestíveis).

Esta semana tive o privilégio de experimentar.

Com muita expectativa, abasteci-me de uma reserva de cachaça Maria da Cruz e encarei a tarefa.

Lavei as folhas muito verdes de ora-pro-nóbis, cortei fora o talo e reservei.

Algo que ouvi pela primeira vez neste mesmo programa de TV foi a prática mineira de tirar o mal da carne com cachaça. Tornou-se um hábito fazê-lo e não há preparo de carnes de frango ou porco que eu comece sem fazer isso. Há quem use limão, mas eu prefiro a cachaça e eventualmente um pouco de vinagre.

Fritei um pouco de bacon, dourei alho e cebola e refoguei 1 kg de carne de frango cortado em pequenos pedaços e temperado com sal.

Depois disso, baixei o fogo e acrescentei um tablete de caldo de galinha dissolvido em um copo de água, uma colher de vinagre, outra de shoyo e uma colher de colorau. Também acrescentei uma pimenta dedo de moça e meio pimentão vermelho picados.

Deixei cozinhando até engrossar o caldo e por fim acrescentei sobre o cozido, sem misturar, umas quarenta folhas de ora-pro-nóbis cortada em tiras grossas e tampei.

Deixei abafado em fogo baixo pelo tempo necessário para arrumar a mesa e servi com arroz branco e angu.

O prato ficou bonito e delicioso. É importante frisar que a verdura não deixou nenhum sabor marcante o que causou certa frustração.

Mas degustando, bastava fechar os olhos para lembrar das tardes preguiçosas nas históricas ruas de Tiradentes e desejar voltar para provar este prato na raiz e assim descobrir se minha versão pelo menos não envergonha muito a original.

Mais uma branquinha, brindo à oportunidade de voltar.

Anúncios

8 Comentários (+adicionar seu?)

  1. Judith Pereira Bravo
    mar 16, 2011 @ 13:22:11

    Caro amigo Marcelo,
    Conheci o ora-pro-nobis lá no Tocantis.
    Bacana mesmo e muito saboroso, mas onde você consegue essa iguaria?
    Manda-me o caminho para conseguí-la.
    abraço,
    Judith

    Responder

    • Marcelo
      mar 16, 2011 @ 13:30:03

      Meu vizinho conseguiu uma muda e plantou em sua casa e também na horta do Albergue Noturno de Cascavel que fica na Rua Sandino Erasmo de Amorim, nº 1984, bairro Parque São Paulo.
      Você pode conseguir algumas folhas lá.
      Quando ele me arrumar uma muda ofereço para você.

      Responder

  2. Manoel Francisco Gomes
    jun 29, 2011 @ 21:18:53

    Moro em São Paulo, em apartamento, mas tenho casa no litoral. Gostaria de plantar uma muda de ora pro nobis. Como faço para conseguir uma ?

    Responder

    • Marcelo
      jun 30, 2011 @ 00:55:38

      Saudações Manoel, e obrigado por escrever.

      Ganhei uma muda cultivada a partir de uma muda que foi trazida de Tiradentes/MG.
      Sei que a planta é muito comum por lá e não gosta de frio.
      Bastou a primeira geada do ano e minha planta morreu.

      Mas acredito que você não terá dificuldade de descobrir onde conseguir aí em São Paulo.
      Tenho certeza que algum bom restaurante mineiro em São Paulo vai te ajudar.

      Se eu encontrar um jeito de mandar uma muda para aí aviso.

      Responder

  3. Therezinha febula
    fev 22, 2012 @ 23:31:14

    Ganhei uma muda de ora pro nobis …só que pesquisado no google diz que ñ se come a planta que dá flores ROSADAS .é sim as que são ALARANJADAS NO CENTRO…e foi exatamente esse tipo ROSADAS que ganhei.Fiquei com medo de comer.
    Continuei fazendo pesquisas no google achei essa rosada sendo feita um prato que me parece delicioso …tem até um vídeo da culinarista fazendo e a foto da ora pro nobis rosa.
    Que faço …..tirem-me essa duvida .
    Therezinha

    Responder

    • Marcelo
      fev 23, 2012 @ 16:21:04

      Saudações Therezinha,
      Acho que vou complicar ainda mais.
      Não conheço estas variedades. A que tenho em casa dá flores brancas e confesso que não reparei a cor do miolo, vou verificar na próxima florada.
      Assim, não me sinto a vontade para lhe recomendar consumir a que você tem. Na dúvida é melhor ter cautela.
      Quando souber um pouco mais aviso.

      Responder

  4. Therezinha febula
    fev 27, 2012 @ 19:06:22

    Ola …Entra no site http://www.avozdanatureza.com/orapronobis.htm ……vai abrir uma pagina; vai descendo que vc vai ver no item 3 tem algumas fotos de flores inclusive essa rosada que falei .depois me diz se achou .Ela é a 2ª da foto . Abraços
    Therezinha

    Responder

  5. Therezinha febula
    fev 28, 2012 @ 02:12:53

    A variedade que tem flores brancas é a mais adequada para consumo, e suas folhas podem ser ingeridas refogadas ou mesmo cruas, as flores também são comestíveis. A variedade comestível tem miolo alaranjado e folhas pequenas e suculentas. A ora-pro-nóbis é propagada por meio de estacas plantadas em solo fértil enriquecido matéria orgânica e, depois de enraizadas, são transplantadas para o local definitivo.

    Serve também para alimentação animal, in natura ou na ração, barateando os custos da produção. O ora-pro-nois não pode ser confundido com a grandiflora ou a bleo que têm flores rosa (muito comuns no Brasil , e difíceis de serem diferenciadas sem a florada).

    SEGUE UMA PEQUENA PARTE QUE PESQUISEI NO GOOGLE SOBRE A ORA PRO NOBIS ROSADA QUE TANTO FALO ..
    ABRAÇOS

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: