Sukiyaki

Sukiyaki

Se fosse calcular, vinte e cinco porcento do sangue que corre em casa é japonês.

Assim fica fácil explicar porque ocasionalmente tenho que me render às receitas orientais.

No caso das japonesas não são lá muito fáceis, mas são deliciosamente leves e saudáveis.

A primeira vez que degustei um sukiyaki foi aos quinze anos, no meu primeiro emprego, preparado pelos chefes japoneses da empresa. Não leva peixe na receita, mas o sabor me fisgou de imediato apesar da estranha prática de molhar as carnes em ovo cru e shoyu.

Muitas pessoas confundem o sukiyaki com o yakisoba. O primeiro é japonês e o segundo chinês. Em comum ambos levam macarrão e legumes, mas as diferenças param por aí.

O yakisoba é totalmente preparado antes de ser servido e leva muito molho de shoyo espesso. O sukiyaki, em sua melhor tradição, é finalizado pelos comensais como uma fondue.

Em minha singela adaptação desse tradicional prato, comecei selecionando, lavando e picando todos os ingredientes.

Alho em pedaços grosseiros, cebola e lascas finas, cenoura em rodelas, brócolis, carne de frango em pequenas tiras, ervilha em vagem, couve-flor, broto de feijão, cebolinha e salsinha.

Não tinha a disposição, mas poderia ter acrescentado acelga, vagem e broto de bambu.

A couve, cenoura e brócolis cozeram brevemente no vapor para encurtar o processo.

Abafei o broto de feijão por alguns minutos em água quente.

Cozinhei o macarrão lámen pelo tempo exigido, escorri, adicionei manteiga, reservei em um marinex untado com manteiga e levei ao forno pré-aquecido em temperatura mínima.

A experiência gastronômica do sukiyaki deveria começar agora, com todos os comensais depositando manteiga no fundo de um tacho ou frigideira grande e adicionando os ingredientes aos poucos.

Mas no meu caso, estou preparando sozinho o prato, degustando um santo grau e ouvindo Regina Casé fazendo graça na TV enquanto o carnaval não chega. Então, inicio o preparo do prato propriamente dito com um pouco de azeite no qual derreto manteiga, acrescento o alho e depois a carne. O sal é pouco, pois chego o sabor ao final com shoyo.

Depois vou acrescentando os ingredientes do mais tenro aos mais frágeis terminando pelo broto de feijão e pelo macarrão. Salpico uma generosa dose de glutamato para dar aquele toque oriental, misturo bem e banzaaai !

Sukiyaki

Esse é um tipo de prato único. Não precisa de complemento, acompanhamento nem guarnição.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: